Antônio Abujamra

Antônio Abujamra, declama "A poesia!" de Manoel de Barros ...

Eis um personagem que me surpreende.

Quando se é jovem, pensamos que os problemas do mundo ligam-se à escassez: faltam recursos, falta inteligência, falta cultura. Com o tempo vamos percebendo que o problema é muito pior: os recursos, a inteligência, exitem; estão aí. Mas ninguém liga…

Rejeitamos a inteligência do alto da nossa ignorância. Jogamos ‘pérolas aos porcos’, como diz Gessinger. Como a cultura vai ser valorizada no Brasil, se não há, pra começar, nem o mínimo de cultura necessário para que se reconheça a cultura como tal?

É a única explicação que tenho para o fato de não termos, sequer, uma biografia desse personagem, um registro de seus passos e sua importância como ser humano. Um registro de seu exemplo.

***

Esse é um problema do mundo, é claro. A burrice faz parte da condição humana. Mas nós levamos isso muito a sério… O artista sempre foi um solitário. Sempre lutou sozinho, indo “aonde ninguém mais foi” no território desconhecido da alma. Uma vela acessa num mar escuro e revolto.

E Abujamra conhecia essa solidão. Ele tinha a descrença de quem conhece o ser humano, e sabe quão pouco se pode esperar dele.

***

Abujamra faz pensar. Não por ser ou não ser gênio – uma palavra horrível que parece servir apenas para ‘explicar’, isto é, domar, a seriedade que podemos ter – mas por sua amplitude de olhar, sua cultura.

O fato de sua trajetória se ligar ao teatro coloca uma série de questões importantes.

Como Goethe e, surpresa das surpresas, Winnicott, que também tinham essa ligação.

***

Primeiro porque sua marca mais destacada seria, antes, uma espécie de realidade. Um realismo agressivo, uma falta de paciência para os jogos sociais.

Mas não está excluído que conhecer a realidade passe exatamente por uma justa apreciação de seu oposto, ou seja, a arte, a mentira, o engano.

É mais ou menos o que Nietzsche, outro ‘realista’ de carteirinha, pensava.

***

Imagino Abujamra sempre interpretando – não como mentira, mas como expressão: ele interpretava a si mesmo, dava forma concreta ao personagem que ia se fazendo ao longo dos dias.

É aí que reside sua autenticidade, para mim: não em sua ‘pessoalidade’ – isso qualquer um pode ter -, mas na maneira como ele resolveu transformar sua injustiça pessoal, seu ‘canto’, sua idiossincrasia, numa coisa mais elevada: num personagem.

Essa talvez seja a autenticidade que conseguimos alcançar, nós, humanos: a direção de nossa mentira, de nossa criação. A transformação de nossa “casca” social em arte.

***

Não somos livres para ser apenas nós mesmos. Somos muito mais complicados que isso. E mesmo que sejamos, às vezes – nem por isso nos compreendemos… Somos “outro” para nós mesmos, somos um conjunto díspar de seres. Como pretender que ser ‘autêntico’ é algo simples?

Só se for numa autêntica mentira. E Abujamra parece o extremo oposto disso. Justamente como ator, como caso particular de expressão dessa verdade que os gregos já intuíram, qual seja: a de que não há nada por trás da máscara.

Apenas a arte redime o humano, dizia Nietzsche, e isso é realismo puro. O humano é uma mentira. Todos somos uma história, uma novela, bem ou mal contada… (isso sem falar das vezes que apenas atuamos as histórias que outros contam de nós).

“Ser” não é algo que exista apenas no concreto – isto é, sem um pouco de imaginação, de engano… “Ser” apenas acontece na ‘terceira margem’, no transicional. Eis porque o ator carrega algo da essência do ser humano: não porque diz ‘belas verdades’… mas porque mente… de forma veraz.

Uma resposta para “Antônio Abujamra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s