Empirismo x idealismo 1: a dualidade mente / corpo na psicanálise

Na história da filosofia, Empirismo e Idealismo foram duas correntes de pensamento que defendiam posições diferentes e opostas em relação à origem de nosso conhecimento. Grosso modo, a primeira defendia que nosso conhecimento vem da percepção dos objetos da realidade, enquanto a segunda defendia que só podemos conhecer o que já está na nossa mente.

Embora não pareça, a questão continua atualíssima, estando em debate nas discussões sobre o estatuto do mental, no entendimento das doenças psicossomáticas e em muitos outros pontos.

A psicanálise, ao seu modo, reatualizou a questão, transpondo-a para sua teorização sobre como acontece a construção de nossa subjetividade.

***

Diria, para simplificar as coisas, que na psicanálise as duas correntes acima – empirismo e idealismo – comparecem, mas em momentos diferentes da maturação subjetiva.

Para a escola inglesa de psicanálise, nossa subjetividade começa na percepção – isso é, nas experiências do corpo. Mas essa percepção não é transposta diretamente em ideias ou imagens (subjetividade). Antes, ela é fantasiada, elaborada imaginativamente, de forma que a transposição da experiência em subjetividade é sempre indireta.

Assim, há um primeiro momento, empirista, onde o corpo realmente ‘recolhe’ as impressões do mundo, e um segundo momento, idealista, onde essa impressão “demanda” uma produção imagética ou fantasiada.

A produção imagética, a fantasia derivada da impressão física, não precisa ser um correlato verdadeiro, ou corresponder 100% com a impressão corporal. Na verdade, o que a psicanálise sustenta é que não há correlação necessária entre esses dois âmbitos. Para a psicanálise inglesa, no entanto, a experiência corporal atua como uma demanda, um incômodo, que leva a subjetividade a agir – pensando, fantasiando, criando subjetividade.

***

Sempre do ponto de vista da psicanálise inglesa, uma analogia poderia ser a seguinte: um bebê com fome, chora pelo desconforto corporal; a mãe que escuta esse choro, atribui-lhe um significado, e age em conformidade com ele – dando comida para a criança, por exemplo, ou lhe pegando no colo. Para a criança, a percepção física da fome se misturaria com a experiência de estar sendo alimentada ou embalada. No final, a partir de uma série de experiências desse tipo, a criança formaria uma fantasia (subjetiva) relacionada à essa experiência de ter fome.

O que é importante ressaltar aqui é que a fantasia da criança (construída sobre sua própria experiência corporal) não precisa corresponder a essa experiência (isto é, não se limita à sua percepção). Se, no exemplo acima, imaginarmos uma mãe muito pobre, sem condições de amamentar o filho, e que por isso passe para o filho, a cada mamada rala, essa ansiedade, teríamos na criança uma formação ansiosa relativa à experiência de ter fome.

Perceba que a ansiedade não estava na criança; não estava na percepção dela de seu próprio “ter fome”. Mas, por fazer parte da experiência total, poderia ser incluída nas fantasias / imagens da criança sobre sua própria percepção.

***

Poderíamos resumir tudo isso dizendo que há uma descontinuidade entre a percepção corporal e fantasia que se forma sobre essa percepção. Não é que a experiência do corpo não exista; ela só não tem tradução direta em termos mentais. Ou ainda, há uma certa liberdade na feitura dessa tradução.

A imagem a seguir esquematiza esse entendimento, acrescentando ainda uma nova descontinuidade entre as imagens (ou os equivalentes neuronais) formadas no subjetivo (mente) e a linguagem:

***

Nesse ponto surgem divergências, dentro da psicanálise mesmo. Autores como Lacan entenderão que a descontinuidade entre o subjetivo e o corpo decorre da linguagem – ao menos, essa é uma leitura possível da obra lacaniana.

O problema, a meu ver, é que, com isso, Lacan é obrigado a situar o inconsciente também – e apenas – como linguagem.

Mas e o inconsciente que não é linguístico? Ou não existiria um inconsciente não linguístico? Questões que pretendo abordar na segunda parte dessa pequena série.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s