Psicose e criação

Para Winnicott, haveria um movimento natural no ser humano de criação do mundo. Toda experiência vivida pelo bebê – a percepção do frio, a sensação de ter fome ou estar saciado, o sorriso de um adulto, barulhos – seria reimaginada, traduzida em imagem. Só então, só depois dessa transcrição, é que as experiências do corpo estariam disponíveis para a mente.

Na verdade, mais do que apenas disponíveis: a mente seria justamente formada por esse movimento criativo, por esse elaborar imaginativamente as experiências do corpo.

A mente, a subjetividade, seria, então, um duplo, uma cópia ou transcrição daquilo que é percebido, ou, mais precisamente: daquilo que é experienciado. Nossa mente seria o resultado da recriação elaborativa de nossas experiências.

***

É o mesmo que dizer que alucinamos o real. Isso é, recriamos aquilo que vivemos; traduzimos, em termos da nossa experiência pessoal, subjetiva, algo que pode ter sido objetivo ao nível do corpo. De certa forma, submetemos o real aos nossos critérios; subjetivamos a realidade.

Não por outro motivo, o sonho é o paradigma desse ‘alucinar’. Tanto Winnicott quanto Bion entenderão que o trabalho que o sonho realiza é menos um trabalho de ‘cifração’ ou recalque do que um trabalho de narração, de digestão, de ‘transformação em subjetivo’ – exatamente essa elaboração imaginativa que viemos falando.

(Tales Ab’Saber escreveu um livro belíssimo sobre esse tema, cuja primeira parte tem resumo publicado aqui no blog. Vale a pena dar uma conferida – link )

***

Ocorre que não nos basta sonhar. Como acabamos compreendendo (com sofrimento), existem realidades que não se dobram ao nosso sonho. Ao contrário, nós é que devemos seguir-lhes. Via de regra, nós é que nos adaptamos ao real.

Só que, como bem descreve Winnicott, no começo da vida, as coisas seriam mais misturadas. A criança não está em condições de agir, nem de se adaptar. Ela exige, antes, a adaptação de outras pessoas à ela, à suas necessidades.

Do ponto de vista da criança, então, sonho e realidade não se distinguem tão bem. Ela pode sonhar que está sendo alimentada, sem ver que na realidade, sua mãe a está mesmo alimentando. Em sua experiência, portanto, sonho – aquilo que adapta o real à nossa subjetividade – e realidade – aquilo que demanda que nós nos adaptemos ao real – se misturam.

***

E isso seria fundamental. Na fase que Winnicott chamou de “ilusão de onipotência”, aconteceria exatamente essa mistura entre real e sonho: a adaptação ativa do ambiente às necessidades da criança faria com que essa experimentasse o amadurecimento como envolvendo uma continuidade entre sonho e realidade.

Essa continuidade, notemos, se alicerça na qualidade do cuidado ambiental disponível. A confusão ou mistura entre sonho e realidade só é possível ali onde as necessidades da criança são atendidas de forma satisfatória.

Uma criança que sente fome poderá sonhar que é alimentada. Se ela o for realmente, poderá então continuar sonhando. Poderíamos dizer, poderá continuar ‘dormindo’, isto é, não tão atenta ao real

Se, entretanto, continuar a sentir fome, o sonho deverá ceder lugar à outra atitude. Ela precisará ‘acordar’, isto é, prestar atenção à realidade, deixando em suspenso esse trabalho de subjetivação do real, que aproximamos ao sonho.

***

Talvez não fique claro de imediato, mas o que Winnicott está nos dizendo com tudo isso é que só encontramos sentido na realidade quando a criamos. Ou seja, esse trabalho de subjetivação do vivido, esse ‘sonhar’ ou alucinar o real, é o fundamento para que possamos experienciar a realidade como algo ‘nosso’, que nos diga respeito.

Obviamente, crescer é, em parte, aprender a lidar cada vez mais com esse real, sonhando-o ali onde ele está. Quer dizer: continuamos sonhando quando adultos; apenas temos o cuidado de sonhar (ou alucinar) aquilo que sabemos que existe… até para que a realidade não nos ‘desperte’ de nosso sonho… nos impedindo de subjetivá-la.

Conforme apontado acima, esse sonhar só pode se manter na medida em que algum suporte real exista. De nada adianta eu sonhar / alucinar que tenho ótimos amigos, se nada na realidade dá suporte à esse sonho.

Sonho e realidade seriam dois âmbitos da experiência que permaneceriam unidos , vida afora, pelo suporte do outro.

***

Este seria o problema, na psicose. Nas primitivas etapas do amadurecimento pessoal, onde sonho e realidade deveriam andar juntos, algo faltou no cuidado ambiental, obrigando a criança a ‘acordar’ cedo demais. [1]

O trabalho do sonho teve que ser interrompido; a realidade não pode mais ser subjetivada, transformada em algo ‘meu’, e em seu lugar surgiu a defesa – defesa contra uma realidade que não pode mais ter sentido pessoal por falta de sonho.

A psicose seria, então, uma defesa contra a realidade, ou, antes, a expressão da impossibilidade de convivência – sustentada pelo ambiente – entre sonho e real. A impossibilidade de subjetivação do real, que passa a ser negado em favor de um sonho tornado absoluto.

***

Paradoxalmente, a psicose, que em geral aproximamos de uma perda da realidade, se caracterizaria, antes, por um excesso de real – ou por uma falta de sonho[2].

Assim, o trabalho terapêutico nas psicoses seria baseado, ao menos segundo Winnicott, na recriação de um ambiente que possa dar suporte àquela continuidade entre sonho e experiência – propiciando a realização de um sonho em sessão, ou oferecendo um sonho (uma narrativa, uma história) para subjetivar um pedaço do real do paciente.

A teoria winnicottiana, assim, mais uma vez, se caracterizaria por ressaltar a posição do ‘entre’. A subjetividade humana, a criatividade que a caracterizaria, somente seria possível ali onde um trânsito foi estabelecido – e sustentado – entre subjetividade e objetividade.

**********************************

Notas

[1] Não se trata de um acontecimento apenas, é claro, mas de um estilo falho; de uma constante ausência de cuidados.

[2] Sonho entendido enquanto essa tradução do real em subjetividade

4 Respostas para “Psicose e criação

  1. Pingback: Lacan – O Seminário (livro 1; aulas 1 e 2) | eu(em)torno·

  2. Pingback: Elaboração e subjetividade | eu(em)torno·

  3. Pingback: O tempo do sujeito. Maturidade | eu(em)torno·

  4. Pingback: O ambiente não é o “outro” – (nem o “grande Outro”) | eu(em)torno·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s